17

UM BOLO DE MILHO E CURIOSIDADES

Bolo-de-Milho

UM BOLO DE MILHO E CURIOSIDADES

O nome milho vem de uma palavra indígena que significa “sustento da vida”. Até à época da colonização e dos descobrimentos, o milho não era muito conhecido. Ganhou o mundo a partir dessa época.

Este alimento tão versátil tem presença garantida na mesa do mundo inteiro assim como na cultura popular brasileira, talvez por ser um alimento bastante acessível a todas as pessoas, pois além do custo baixo, e da diversidade de sua utilização, possui boas propriedades nutricionais.

A maior cultura agrícola do mundo é a do milho, e os maiores produtores são os Estados Unidos, a China, a Índia e o Brasil.

Do milho tudo se aproveita.

Do cabelo ou barba de milho se faz um chá que é excelente para os rins, é um poderoso diurético.

O amido de milho originado do milho era usado antigamente para engomar a roupa

O Whisky do tipo Bourbon contém de 50 a 80% de milho

Do milho também se extrai o etanol. Os Estados Unidos é o maior produtor de álcool de milho.

Do milho se obtém óleo, açúcar, combustível, bebidas, além de inúmeras receitas como em espigas, em cremes, em sorvetes, em sucos, em bolos, em pudins em receitas salgadas e claro na pipoca. Doce ou salgado nesta época do ano ele é o “queridinho” das receitas.

Isto sem falar, da mais famosa espiga de milho, o sábio ‘Visconde de Sabugosa” de Monteiro Lobato, que tantas aventuras nos fez viver no Sitio do Pica-pau amarelo.

Não existe quem não goste ou já não tenha se deliciado com essa iguaria, assim como também não existe festa junina sem milho, Ou será que existe?

Bem ao menos aqui em casa, o Senhor Milho é presença obrigatória, independente da época, como neste Bolo de Milho que fez a nossa alegria nesta semana.

 Bolo-de-Milho-2

 BOLO DE MILHO VERDE

INGREDIENTES

1 lata de milho verde escorrido

3 ovos

½ xícara de chá de óleo

1 xícara de chá de leite

2 xícaras de chá de açúcar

1 xícara de chá de fubá

1 xícara de chá de farinha de trigo

1 colher de sopa de fermento em pó

Opcional:

Açúcar de confeiteiro para polvilhar

Grãos de milho doce para enfeitar.

MODO DE PREPARO

Bater no liquidificador o milho verde, os ovos, o óleo, o leite e o açúcar.

Peneirar o fubá, a farinha e o fermento, adicionar a mistura do liquidificador e mexer bem até incorporar todos os ingredientes.

Colocar numa forma untada e polvilhada e levar ao forno pré-aquecido a 180° por aproximadamente 40 minutos ou até ao teste do palito.

Desenformar, deixar esfriar um pouco, polvilhar com açúcar de confeiteiro e decorar com grãos de milho doce.

Servi com doce de goiabada.

Bom Apetite

Gina

Anúncios
14

PÃO DE LÓ E SUA ORIGEM

Pão-de-Ló-de-Laranja

PÃO DE LÓ  E SUA ORIGEM

Pão de Ló, esse bolo tão gostoso e fofo, é um dos bolos mais tradicionais de Portugal, e como a maioria da doçaria portuguesa tem origem nos conventos. Diz a tradição que a receita de Pão de Ló pertencia às freiras do Convento de Coz  que ensinaram as técnicas do seu preparo a uma família de Alfeizerão.

 Dizem também que embora a origem do nome seja portuguesa, suas raízes são espanholas descendentes de um biscoito similar ao pão de ló que era preparado nos mosteiros e conventos de Castela  na Espanha.

O pão de ló estava sempre presente nas mesas dos padres mais abastados, ele era indicado para as dietas de convalescentes, como  também era enviado como presente e conforto  a famílias enlutadas. Também era oferecido aos condenados à morte junto com um copo de vinho, quando subiam à força.

O pão de ló foi introduzido no Japão, como Pão de Castela onde ficou conhecido como “castella” (pronuncia-se castera) por causa das claras em castelo que são mais firme que as claras em neve, e através do tempo tornou-se um dos doces mais típicos de lá, chamado Kasutera.

Esse bolo simples, mas com uma textura incomparável, na Itália é conhecido com o pão de ló genovês e pan di Spagna,  na Inglaterra e nos Estados Unidos é o Sponge cake.

Em Portugal existem muitas variedades desse bolo dependendo da região, alguns tornaram-se até símbolos regionais, como o de Alfeizerão, o de Ovar, o de Margaride, o Minhoto, o de Mirandela e o de Arouca.   Existe em Portugal até o” pão de ló à brasileira”, diferente dos tradicionais por levar menos ovos.

Enfim o Pão de Ló, mesmo com algumas variações de regiões ou de países, é sempre um delicado e delicioso bolo para se degustar, quer seja no verão ou no inverno.

Eu só não entendo muito bem o porquê da expressão  “ É mais fácil sustentar um burro a pão de ló”,  mas com certeza gosto muito da outra expressão  “Ser tratado a pão de ló”.

E depois de tanto falar em pão de ló, só mesmo degustando um para poder avaliar toda a sua fama.

Pão-de-ló-de-laranja-2

PÃO DE LÓ DE LARANJA

INGREDIENTES

6  ovos

2 xícaras de chá de açúcar

1 xícara de chá de suco de laranja

2 xícaras de chá de farinha de trigo

1 colher de sopa de fermento em pó

Calda

½  xícara de chá de suco de laranja

½  xícara de chá de açúcar

Misturar os dois sem ir ao fogo.

Opcional: Cobertura

Açúcar de confeiteiro a gosto dissolvido em um pouco que baste de suco de laranja.

MODO DE PREPARO

Bater as claras em neve, juntar as gemas uma a uma, misturando bem.  Acrescentar em seguida o açúcar, continuar batendo acrescentando então o suco de laranja alternando com a farinha de trigo. Por último misturar o fermento.

Levar ao forno a 180° em forma untada e polvilhada até ao teste do palito ou por aproximadamente 30 minutos.

Deixar esfriar um pouco e desenformar, cobrindo o bolo com a mistura de suco de laranja e açúcar. Em seguida se gostar cobrir com o açúcar de confeiteiro e enfeitar com frutas.

Bom Apetite

Gina

12

UM BOLO DE FUBÁ PARA SANTO ANTÔNIO

Bolo-de-Fubá

UM BOLO DE FUBÁ PARA SANTO ANTÔNIO

 

(música de Lamartine Babo)

Eu pedi numa oração

Ao querido São João

Que me desse um matrimônio

São João disse que não

Isso é lá com Santo Antônio

Implorei a São João

Desse ao menos um cartão

Que eu levava a Santo Antônio

São João ficou zangado

São João só dá cartão

Com direito a batizado

São João não me atendendo

A São Pedro fui correndo

Nos portões do Paraíso

Disse o velho num sorriso

“Minha gente eu sou chaveiro

Nunca fui casamenteiro”!

Matrimônio! Matrimônio!

Isso é lá com Santo Antônio!

bolo-de-Fubá-2

OBÁ!  Chegou o mês das Festas Juninas e com ele um desfilar de comidas típicas deliciosas. Para iniciar temos o nosso tão querido Santo Antônio, o santo casamenteiro.

E como começou toda esta historia….Certa vez uma senhora desesperada com a miséria que tinha ficado, resolveu prostituir a filha para ganhar dinheiro, mas a jovem resistia e não queria aceitar essa decisão. Então, diante de uma imagem de Santo Antônio a jovem pediu ajuda rezando com tanta fé e esperança que das mãos do Santo caiu um bilhete endereçado a um comerciante da cidade onde dizia: Senhor “X” queira dar a esta jovem tantas moedas de prata quanto ao peso deste bilhete. Assinado Antonio.

A jovem correu à loja do comerciante que colocou num prato da balança o bilhete e no outro as moedas. Só que sem entender o papel pesava mais do que as moedas e assim ele ia colocando mais, até chegar a uma grande quantia.

O episódio logo ficou conhecido e a moça foi procurada por bons rapazes a lhe propor casamento e não deixando-a nas mãos da mãe, ela logo casou e foi muito feliz. Daí em diante as moças começaram a recorrer a Santo Antônio, sempre que o assunto era casamento.

Como esta, existem mais histórias a respeito do santo casamenteiro e muitas simpatias como a de tirar o Menino Jesus dos seus braços e só devolver quando alcançar a graça ou o de deixá-lo de cabeça para baixo num recipiente com água até ele atender o pedido, e assim muitas mais simpatias.

Mas, ele também é conhecido como o Padroeiro dos Pobres, diz-se que um dia ele pegou todos os pães do convento e os distribuiu aos pobres, só que para espanto, os pães se multiplicaram, daí vem o hábito da distribuição de pães no dia 13 de Junho que foi o dia que ele morreu.

Todas estas festividades foram trazidas para o Brasil pelos portugueses durante o período colonial e foram se misturando aos aspectos culturais brasileiros e tomando característica próprias,   relacionadas com as colheitas dos produtos típicos deste mês criando festejos e comidas típicas para celebrar a devoção aos Santos do mês.

E como comemoração, fé, crença e esperança fazem parte da nossa criação, vamos festejar “Santo Antônio,com um bolo de fubá.

BOLO DE FUBÁ

Esta receita é de uma grande e querida amiga ANA da cidade de Boituva, que sempre me presenteia com receitas de  bolos deliciosos. Obrigada Aninha, este bolo é uma delicia!

INGREDIENTES

copo medida de requeijão:  ele varia de 220 a 250 g , o importante é usar o mesmo copo para todos os ingredientes.

4 ovos

2 copos de requeijão de açúcar

1 copo de requeijão de fubá

1 copo de requeijão de farinha de trigo

1 copo de requeijão de leite morno

1 copo de requeijão de óleo  (pode colocar 2 dedos a menos)

MODO DE PREPARO

Amornar o leite e o óleo juntos.

Bater os ovos , juntar o leite morno com o óleo e 1 copo de açúcar, misturar bem.

À parte misturar  a farinha, o fermento, o fubá, o resto do açúcar  peneirados  e juntar na mistura acima, batendo até incorporar tudo.

Colocar uma forma untada e polvilhada e levar ao forno a 180° por aproximadamente 35 minutos ou até ao teste do palito.

Deixar esfriar um pouco e desenformar.

Bom Apetite

                    VIVA SANTO ANTÔNIO !

Gina

10

UM BOLO E A “TERRA DOS SEM TEMPO”

Bolo-de-maças-e-nozes-pecãs

bolo-de-maças-e-nozes-pecãs-2

 

Olá a todos os amigos, leitores e seguidores, de tanto ouvir falar na falta de tempo , acho que fui dominada pelo vácuo entre espaço e tempo, fui totalmente abduzida para a “Terra dos Sem Tempo”

Entrei numa sensação de que o tempo  está voando, tudo ficou muito rápido. O tempo engana!… Tento fazer uma correlação da falta de tempo e a velocidade dos acontecimentos atuais e vejo que agora ficamos mais impacientes, não conseguimos fazer tudo o que queremos, será que não estamos querendo coisas demais?

Falta de tempo! mas o dia continua tendo 24 horas……

Acho que esse desenvolvimento tecnológico  deixou todos os processos mais rápidos, são os eletrônicos velozes, a internet, o celular, o computador, os aparelhos que fazem tudo sozinhos, os carros mais velozes, a informação a jato.

Há uma histeria coletiva para “ganhar” tempo , fazer tudo ao mesmo tempo, abraçar o mundo para conquistá-lo, tudo é para ontem, porém a sensação que temos é que estamos perdendo o tempo. Será que estamos contaminados pela “doença da pressa”, só o que é rápido é bom. então se tudo é tão rápido porque continuamos ainda sem tempo!

Com essa ideias confusas e sem respostas, me veio uma saudade daquela lerdeza de atividades, das refeições longas, das conversas sem fim, do caminhar sem pressa, do escutar o outro sem cortes, o de espreguiçar simplesmente e permitir olhar o céu e sonhar.

Ainda com esses sentimentos de calma, estou voltando da “Terra dos Sem Tempo”e tentando achar o que para muitos é impossível , o equilíbrio entre o tempo dos dias atuais e  o tempo da realização dos sonhos.

Me lembrei de uma frase de Albert Einstein que dizia:”falta de tempo é desculpa daqueles que perdem tempo por falta de método”.

E com todo o tempo do mundo, eu fiz para vocês este bolo de maçãs e nozes, esperando que tenham tempo para fazê-lo, pois não demora muito, e é muito gostoso…., pois tempo é o que falta para as coisas que não damos prioridade..

BOLO DE MAÇÃ E NOZES- PECÃS

(Do livro Step-by-step baking pg. 66 )

200 g  de maçãs sem casca nem sementes cortadas em cubinhos

50 g de nozes-pecãs sem casca

150 g de açúcar demerara

250 g de farinha de trigo com fermento

1 colher de chá de fermento empó

2 colheres de chá de canela em pó

1 pitada de sal

3 1/2 colheres de sopa de óleo de girassol

3 1/2 colheres de sopa de leite, mais um pouco se necessário

2 ovos

1 colher de chá de extrato de baunilha

50 g de uvas passas brancas

açúcar de confeiteiro para polvilhar ou chantilly para acompanhar

MODO DE PREPARO

Pré aquecer o forno a 180°. Untar uma forma redonda de 23cm e fundo removível com manteiga e farinha . Se  a forma não for removível forrar com papel manteiga e untar.

Colocar as nozes pecãs  em uma assadeira e levar ao forno por 5 minutos. Deixar esfriar e picá-las.

Misturar as maçãs e o açúcar em uma tigela. Peneirar a farinha, o fermento, a canela, o sal e misturar. À parte bater o óleo, o leite, os ovos e a baunilha. Adicionar a mistura liquida à da farinha e misturar bem, se necessário acrescentar um pouquinho mais de leite, eu coloquei mais 2 colheres de sopa .Acrescentar as nozes pecãs e as uvas passas e colocar na forma untada.

Assar por 35 minutos ou até ao teste do palito. Deixar esfriar por alguns minutos e desenformar. Polvilhar com açúcar de confeiteiro por cima ou servir com chantilly.

Ele fica excelente até por 3 dias se armazenado em um recipiente hermético.

bom Apetite

 

Gina